PortoAlegre visual

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Acampamento Porto Alegre - O acampamento Porto Alegre ganhou o mesmo nome da fazenda onde está situado e dá apoio aos colaboradores que utilizam a área de estudo regularmente. A fazenda Porto Alegre fica à direita no sentido Manaus - Boa Vista da BR - 174 e ao longo da estrada vicinal ZF - 03, que inicia no km 63 da estrada federal. Após percorrer 7 km na vicinal, encontra-se à esquerda uma porteria que dá acesso a uma estrada precária e interna da fazenda. Percorrendo cerca de 4 km nessa estrada, chega-se ao acampamento que é bem próximo da reserva de 1 ha (3114) e não muito distante da reserva de 100 ha (3304) da Porto Alegre. O acampamento conta com cozinha, dois dormitórios, banheiros e está localizado no início de uma longa vertente que finaliza em um igarapé espalhado em um buritizal. 

 

Reserva de 1 ha

3114 - Estabelecida em fevereiro de 1983 e isolada entre julho e agosto de 1983. Uma faixa de 100 m foi cortada e queimada ao redor da reserva em agosto de 1991 e logo plantada com gramíneas. Outro re-isolamento ocorreu entre 10 de outubro e 23 de novembro de 1994 e depois novamente no final da estação seca de 2001 e por último no final da estação seca de 2013. 

Características: suave inclinação do oeste para o leste.


Reserva de 10 ha 

3209 - Estabelecida em agosto de 1982 e isolada em agosto de 1983. Uma trilha em meio à capoeira liga a reserva à floresta contínua saindo pelo lado norte. Pelo menos 500 m de isolamento da floresta contínua. Em agosto de 1991, uma faixa de 100 m ao redor da reserva foi cortada e queimada. Houve também um re-isolamento realizado entre 24 de novembro de 1994 e 20 de fevereiro de 1995. Depois novamente no final da estação seca de 2001 e por último no final da estação seca de 2013. 

porto alegre000

Vista aérea de um fragmento de 10 ha (3209) da Fazenda Porto Alegre. Fotografia de agosto de 1999, note a faixa de isolamento ao redor da reserva e a capoeira com dossel predominantemente de Cecropia mais afora.

Características: reserva sem igarapés com topografia suave. Algumas áreas podem sofrer alagamento perto da borda sul da reserva do meio para o final da estação chuvosa. Indícios de carvão no perfil de solo, comum também em quase todas as áreas do PDBFF.


Reserva de 100 ha

3304 - Estabelecida em julho-agosto de 1982 e isolada em agosto de 1982 e em agosto de 1983. Aproximadamente 700 m das bordas norte e oeste foram expostas em 1980 ou 1981, devido a derrubada da floresta que abriu a fazenda nestes anos. Em agosto de 1983 ainda existia uma ligação com a floresta contínua no canto sudoeste e ao longo do iagarapé ao norte. A ligação do igarapé foi cortada e queimada em um trecho de 300 m em 1984. A rebrota no lado leste alcançava 1-1.5 m no final de 1984. Em 1987 foi cortada. Não foi isolada em 1990 junto com as reservas de 1 e 10 ha. Apenas no final da estação seca de 1995 foi re-isolada novamente e depois ficou um longo período sem ser re-isolada. Por último foi re-isolada no final da estação seca de 2013. 

Características: terreno ondulado com três braços de igarapé na metadade leste da reserva, a drenagem principal começa na derrubada.

 

Reserva de 1000 ha

Cabo Frio
3402
- Estabelecida em agosto de 1984. A reserva nunca foi isolada, faz parte de uma das áreas controle do PDBFF. O acesso à reserva contínua do Cabo Frio, mesmo localizada na Fazenda Porto Alegre não é feito pelo acampamento Porto Alegre. O acesso se dá pela fazenda Esteio (entrada principal no km 23 da vicinal ZF - 03) e pela distância, tanto do acampamento da Porto Alegre como o do Colosso, o acampamento mais próximo pela fazenda Esteio, foi necessário construir um acampamento próprio que fosse usado como base para as pesquisas realizadas nessa área. 

Características: forma irregular, inclui extensos platôs, talvez os maiores de todas as áreas de estudo do PDBFF e ainda uma bacia hidrológica ampla. A borda nordeste possui um morro íngrime com alta umidade. Alguns dos igarapés não possuem margens com declives. Alguns igarapés drenam em direção a bacia do Rio Preto da Eva. A floresta parece mais alta do que a média das outras localidades e o sub-bosque parece menos denso, provavelmente características comuns em florestas que ocorrem em amplos platôs.