Acampamento Dimona

 

Acampamento Dimona - a estrada vicinal e interna da fazenda que liga a BR - 174 às reservas da Dimona, após praticamente 9 km, passa pela lateral da reserva de 100 ha (2303) e termina quase ao lado da reserva de 1 ha (2107) e no pátio do acampamento que serve de ponto de apoio a todos os pesquisadoers, estudantes e assistentes de campo que utilizam a área de estudo. O acampamento tem uma cozinha, um laboratório, dois dormitórios, banheiros e outras facilidades. Fica na borda de uma floresta ciliar de um igarapé que divide a área em duas grandes partes. Desse igarapé é coletada a água que serve o acampamento. Do outro lado do igarapé, há uma trilha que dá acesso a outra reserva de 1 ha (2108), à reserva de 10 ha (2206) e a floresta contínua que ocupa as áreas mais distantes da fazenda.


Reservas de 1 ha

2107 - Estabelecida em janeiro de 1981 e isolada em agosto de 1984. Faixa circundante queimada em 23 de outubro do mesmo ano. A área entre o acampamento e a reserva foi cortada entre 20-26 de março de 1987 e queimada dois meses depois, em maio de 1987. Em agosto de 1989, uma faixa de 100 m ao redor da reserva foi novamente cortada e queimada. Em agosto de 1990, nova faixa de 100 m foi cortada e em 1991 ela foi novamente cortada e queimada. Depois, outro re-isolamento ocorreu entre 8-29 de novembro de 1994. Depois, novamente a reserva foi re-isolada na estação seca de 2001 e por último no final da estação chuvosa de 2013.

Características: um vale profundo corta a reserva em direção oeste, eventualmente culmina em um igarapé grande a cerca de 300-400 m da reserva.

 

2108 - Estabelecida em março de 1981 e isolada em setembro de 1984. Isolamento com queima em 23 de outubro do mesmo ano. Novo corte e queima em 1987, sendo que o fogo atingiu parcialmente a reserva. Uma faixa de 100 m em torno da reserva foi limpa em outubro de 1989. A reserva foi circundada por 3500 m de mata derrubada. Em 1992 houve novo corte e queima, assim como entre 30 de novembro e 9 de dezembro de 1994. Por último, houve um novo re-isolamento da reserva no final da estação seca de 2001 e depois no final da estação chuvosa de 2013.

Características: relevo suave, descendo em direção ao noroeste.


Reserva de 10 ha

2206 - Estabelecida em janeiro de 1981 e isolada em agosto-setembro de 1984. Faixa de vegetação no igarapé foi cortada e queimada em 1985 sendo novamente queimada em outubro do mesmo ano. Cortada em 1986. Uma faixa de 100 m foi limpa em outubro de 1989. A faixa foi cortada e queimada em 1990 e 1992. Novo re-isolamento ocorreu entre 9 e 19 de dezembro de 1994 e por último no final da estação seca de 2001 e depois no final da estação chuvosa de 2013.

Características: possui uma cabeceira de igarapé dividida. O igarapé principal aparece 75 m ao norte da reserva. O segundo igarapé surge pela borda leste. Vale inclinado no lado oeste. Igarapé deixa a reserva pela borda sul com declives suaves ao longo dele.


Reserva de 100 ha Vista aérea de um fragmento de 100 ha (2303) na Fazenda Dimona. Fotografia de agosto de1999

2303 - Estabelecida em dezembro de 1980 e lado norte isolado no mesmo ano. Em 1982 esta área que passou por corte e queima se tornou um pasto estabelecido. O pasto foi abandonado em 1983 e virou capoeira, possivelmente composta por espécies de Cecropia. Lado oeste foi cortado e queimado em 1984. De agosto a outubro de 1990, uma faixa de 200 m foi cortada e queimada nos lados leste e sul restantes, mas apenas 100 m desta faixa foi plantada com gramíneas. Essa intervenção isolou completamente a reserva. Depois houve novos re-isolamentos na estação seca de 2001 e no final da estação chuvosa de 2013. 

Características: terreno bisseccionado. Morro alto ao noroeste, drenagem com vales a sudeste. Vale bastante inclinado deixando a reserva pelo canto noroeste. Área pantanosa ao longo da borda sul. Solo mais arenoso do que as outras reservas, dossel mais denso, possivelmente mais baixo e mais aberto em algumas áreas. Extensa área (vários hectares) ao noroeste com drenagem pobre, muitas bordas e árvores jovens, poucas árvores grandes. O chão destas áreas está coberto por pequenas valas de 20-50 cm de profundidade criando uma paisagem com morrinhos.